terça-feira, 29 de abril de 2014

Linha do Oeste - Que Futuro? (III)

“A linha do Oeste é uma bandeira para a CP” diz o presidente da empresa
in Gazeta das Caldas


As “camellos” no Oeste
As automotoras que a CP alugou à Renfe ficaram conhecidas na gíria ferroviária como as “camellos” (camelos) em virtude de os aparelhos de ar condicionado instaladas no tejadilho se parecerem com as bossas daqueles animais.
São estes veículos – designados por automotoras 592 – que virão circular para a linha do Oeste em substituição das velhinhas Allan.
As 592 também não são novas. Datam de 1981 e 1984 e até já foram retiradas de serviço no país vizinho. Mas em relação ao material que a CP tem no Oeste representam, ainda assim, um salto qualitativo.
Cada automotora, com três carruagens, tem capacidade para 200 a 228 passageiros (consoante a série) e podem circular a 120 ou a 140 Km/h, também consoante a série de fabrico.
Manuel Queiró diz que a sua vinda para a linha do Oeste será acompanhada de mudanças na área comercial e na oferta para atrair mais passageiros.

(sublinhado da minha autoria)
 ----/----

As automotoras da série 592 circlam actualmente nas linhas do Douro e Minho. Realizam serviços entre Porto e Vigo e entre Porto e Pocinho. Das 17 unidades, é frequente estarem algumas encostadas para manutenção ou para limpeza de pinturas rupestres. É também frequente ver-se comboios a ser realizados com recurso a composições clássicas, isto é, com máquina e carruagem.
Sendo assim, a pergunta é óbvia: se as (ou algumas das) automotoras da série 592 vão para o Oeste, o que as irá substituir no Douro e Minho?




Nota 1: este blog não representa qualquer organização, empresa ou tendência ferroviária. É apenas e só um espaço de opinião.
Nota 2: as fotos que ilustram este artigo estão identificadas com o nome do autor e quando aplicável, com a referência onde foram encontradas.

Sem comentários:

Publicar um comentário